•  terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Saúde investe na formação da rede para combater as arboviroses em Jundiaí

Com a chegada das estações mais quentes e chuvosas, a Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) formatou, através da Vigilância em Saúde Ambiental (VISAM) e da Atenção Primária à Saúde, a ‘Operação Verão contra Arboviroses’. A fim de combater a proliferação de doenças como dengue, zika e chikungunya, todas transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, a UGPS investe em várias frentes, além da manutenção de todas as atividades do Programa Municipal de Vigilância do Vetor Transmissor das Arboviroses.

Como primeira ação, a UGPS promove a capacitação dos novos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) contratados no último concurso público. Os 50 novos servidores estão recebendo informações gerais sobre o Programa Municipal, a importância do seu papel na vigilância das arboviroses, o ciclo reprodutivo do mosquito e da dinâmica de transmissão dessas doenças.  O treinamento está sendo realizado pela coordenadora do programa, a biomédica Ana Lúcia de Castro Silva, da VISAM. Em seguida, os enfermeiros responsáveis pelas diferentes equipes dos ACS serão reunidos com as equipes da VISAM e da Atenção Primária para estabelecimento de novas estratégias e revisão de procedimentos e protocolos. E, em sequência, estão previstas reuniões com os agentes que já estão em atividade, para diagnósticos situacionais e avaliação dos territórios de cada um.

Para o gerente da VISAM, Carlos Ozahata, o processo de educação continuada das equipes é essencial: “Desta forma, conseguimos uniformizar as atividades e revemos juntos os procedimentos e protocolos, respeitando sempre as características de cada território”.

Nos territórios, as equipes de agentes respeitam o distanciamento social recomendável e estão retomando gradualmente as visitas peridomiciliares (quintais, jardins e varandas), interrompidas até então por conta da pandemia. No atendimento, os munícipes serão reorientados sobre os cuidados e medidas preventivas a serem adotadas, além de dirimir dúvidas dos moradores.

“Os agentes são uma ponte importante com a população, pois auxiliam no diagnóstico situacional e também trazem informações importantes sobre a condição sanitária local. Mesmo em período de pandemia, os cuidados dos agentes em relação à população assistida são mantidos, respeitando sempre os protocolos sanitários”, complementa Ozahata.

Em relação à vigilância do vetor, as equipes têm intensificado as fiscalizações dos chamados Imóveis Especiais (assim considerados por possuírem fluxo maior de pessoas), e também dos Pontos Estratégicos (locais de grande concentração de possíveis criadouros como, por exemplo, ferros velhos, borracharias, comércios de recicláveis, sucateiros, desmanche de veículos, etc.). Além dessas atividades, Ozahata enfatiza que as demais atividades que compõem o Programa continuam sendo desenvolvidas: coleta e identificação entomológica, investigações epidemiológicas das fichas de notificação compulsória, busca ativa de sintomáticos, atendimento das solicitações registradas no 156, confecção dos boletins epidemiológicos, entre outros. A VISAM já realiza também os preparativos para o levantamento do Índice de Breteau, que deve culminar no início de 2021, visando obter informações sobre a presença do mosquito por diferentes áreas do município.

 

Ler Anterior

Em ação solidária, Assistência Social recebe kits de higiene dos alunos da Esef em Jundiaí

Ler Próxima

Testes de Covid e monitoramento telefônico marcam o sábado em Jundiaí