•  sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Laudo aponta que grávida de 44 anos morreu por febre maculosa em Jundiaí

A grávida de 44 anos que morreu ao dar entrada no Hospital Universitário de Jundiaí (SP) teve febre maculosa. A informação foi confirmada pela prefeitura na tarde de quinta-feira (7).

Catarina dos Santos foi socorrida no começo de setembro deste ano com um quadro de infecção “inespecífica” e foi transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu.

Amostras de sangue foram colhidas e encaminhadas para o Instituto Adolfo Lutz. Em nota, a Unidade de Gestão de Promoção da Saúde informou que a doença foi apontada no laudo.

A paciente, segundo a prefeitura, era moradora do bairro Vista Alegre. A partir da notificação, foram iniciados trabalhos de rastreamento epidemiológico para identificar os locais de contaminação, além de análises sobre a presença de carrapatos e capivaras.

De acordo com a prefeitura, a Vigilância Epidemiológica de Zoonoses registra 38 notificações de suspeita para a doença em Jundiaí, sendo que 10 casos aguardam resultados de exames. No ano de 2018 foram registrados dois casos na cidade, sem morte.

A pasta orienta que a população adote medidas preventivas como evitar circular por áreas de risco de ocorrência dos carrapatos.

Febre maculosa

A doença é provocada por uma bactéria transmitida pelo carrapato-estrela. O período de incubação em humanos, tempo da picada até os primeiros sintomas, varia de dois a 14 dias.

A febre maculosa pode ser curada e tem como sintomas febre de duas a três semanas, dor de cabeça, dores no corpo, calafrios e manchas na pele.

G1

Ler Anterior

Jundiaí recebe 1ª Festa Literária com programação gratuita

Ler Próxima

Motorista fica ferido ao capotar carro na marginal do Rio Jundiaí