•  sábado, 08 de maio de 2021

Estúdio de alongamento de cílios cresce 25% durante a pandemia

Empresária agiu rápido e no início da quarentena passou a vender vouchers. Em seguida, fez melhorias no espaço, criou novos serviços e investiu em cursos de capacitação.

Mesmo com a máscara de proteção ao coronavírus, ainda sobra muito espaço no rosto para quem gosta de se maquiar. Uma empresária do setor de beleza apostou no negócio de alongamento de cílios e na micropigmentação de olhos e cresceu 25% na pandemia.
Thaís Giraldelli tem um estúdio que oferece esses serviços e conta no quadro VC NO PEGN sobre os desafios que vem enfrentando neste período de pandemia.
“Quando chegou a notícia do fechamento do comércio eu fiquei apavorada, porque é o negócio da minha família. Foi desesperador, porém eu entendi que naquele momento era necessário para um bem maior”, conta Thaís.
A empresária agiu rápido para não ver o faturamento chegar a zero: “Nós criamos vouchers com até 50% de desconto. Aí a cliente comprava e podia realizar o procedimento em tempo indeterminado. Elas adoraram a ideia, porque puderam economizar e garantiram o serviço lá na frente”.
Nova rota
Thaís sempre foi uma empresária inquieta, atenta ao mercado e em 2020 o objetivo era expandir o negócio para outros estados. Com a pandemia, ela redirecionou tudo.
“Não perdi o rebolado e a gente veio investir aqui dentro mesmo. Reformamos uma outra sala, compramos equipamentos novos e também inserimos um novo serviço que ajuda a ressaltar o olhar. Para fazer uma boa dupla com a extensão de cílios, colocamos em nosso cardápio a micropigmentação dos olhos, que é um delineador bem fininho, discreto, para projetar e deixar os olhos, a única parte que a máscara não cobre”, conta.
O novo serviço ofertado já rendeu R$ 10 mil a mais no faturamento do negócio, segundo a empresária.
Com a venda dos vouchers, melhorias no espaço e novidades nos serviços, vieram novas clientes e as antigas passaram a gastar mais. O crescimento foi de 25% na retomada.
Por causa da pandemia, os procedimentos de segurança de higiene foram reforçados no salão.
O que também ajudou a Thaís a recuperar o faturamento foram os cursos de capacitação: “Os cursos de extensão de cílios e micropigmentação duram um dia e custam R$ 2,4 mil. Antes da pandemia, nós tínhamos uma média de 12 alunas por mês, agora são 20 mulheres que nos procuram para mudar a vida profissional e entrar nesse mercado”.

Por Luisa Sanches

Ler Anterior

Lei de anistia para regularização de imóveis é discutida em reunião com o vereador Jota Júnior

Ler Próxima

GCM de Itupeva apresenta a estrutura da ‘Muralha Digital’ para a Guarda de Votorantim