•  terça-feira, 05 de março de 2024

Quarentenou!

Muita gente ficou em pânico com a ideia de permanecer um tempo (ainda indeterminado) isolado dentro de casa e sem poder “sair para brincar com os amiguinhos”. Eu recebi a notícia com tranquilidade, não apenas porque meu trabalho pode ser feito à distância, em modelo de home office, mas também porque eu já gostava de ficar isolado muito antes de ser modinha e, enfiar-se dentro de casa munido de comida, games, livros, quadrinhos, séries e filmes, é o que eu costumo chamar de “um bom domingo”.

Além disso, já nos primeiros dias descobri o delivery local. E se a gente achava que comprar da China (o que se tornou momentaneamente inviável) ou da Amazon era maravilhoso, com o delivery do bairro, o céu é o limite. Por aqui já fiz compras no mercado, no hortifruti, no açougue e até na sorveteria – e quase precisei comprar uma geladeira nova para estocar tanto picolé. Tudo devidamente entregue no portão de casa e, em algumas vezes, nem precisei trocar o pijama para receber. Essa vida pode ser adaptável e quase bela para quem não tem problema com boas doses de Solidão, que não só é minha amiga como também mereceu dedicatória exclusiva em meu primeiro livro – o Crônicas Noturnas, de 2009.

As coisas seguiram fáceis até o sétimo dia de quarentena, mais ou menos. Contatos virtuais com amigos e família, saídas estratégicas para uma corrida leve em algum lugar deserto e sem chance de contato com outro ser humano, trabalho seguindo, tarefas domésticas mantendo a (chatice) rotina para dar sensação de normalidade, tudo tranquilo.

A partir do décimo dia, as coisas começaram a ficar meio esquisitas. Naquela noite, altas horas, comecei a sentir que os Titãs tinham razão em “Nem 5 Minutos Guardados” e realmente as plantas me vigiavam do jardim. O vento que batia nas folhas do coqueiro que fica na frente da minha varanda fazia com que ele se curvasse um pouco, mandasse um “oi” travesso e sumisse novamente. Achei que fosse só sono e fui dormir. Sonhei com jogos de zumbis.

Com duas semanas completas dentro do apartamento escondido do coronavírus, raspei a barba e deixei apenas o bigode, na esperança de que isso me fizesse sentir mais confortável ao ver um rosto diferente no espelho. Me diverti interpretando sozinho cenas de Éramos Seis ao som de Roberto Carlos. A novela acabou, o bigode perdeu a graça, e também teve que partir.

No décimo quinto dia, um domingo, passei todo o tempo alternando programas de TV com sonecas preguiçosas. Decidi manter as cortinas fechadas, sabia que o sol estava lá fora, me afrontando e zombando da minha condição de confinado. Concluí que o Big Brother, que nunca tive paciência para assistir, talvez tivesse um fundo filosófico por trás de tudo. Passei a noite pesquisando a localização da casa e fazendo planos de invadi-la e fingir ser um participante. Descartei a ideia de manhã, ao lembrar que da última vez que tentei pular o muro de casa, terminei com um joelho sangrando e ele tem pouco mais de meio metro de altura.

Hoje, já não sei mais quantos dias fazem desde que a quarentena começou. Tive tempo de pesquisar no dicionário e descobrir que, em casos médicos e de infectologia, o termo não se refere necessariamente a quarenta dias, mas a períodos variáveis que, se por um lado podem ser menores do que quarenta, também podem ser mais. Pensei em fazer um amigo imaginário com uma bola e chamá-lo de Wilson, mas lembrei que Tom Hanks teve coronavírus e não quis facilitar. O amigo dele pode estar infectado também.

Agora, com todo mundo voltando a participar de churrascos, encontros aleatórios, visitas ao mercado, brigar por uma mesa livre na praça de alimentação dos shoppings e encarar horas no trânsito lento (embora ainda tenha centenas de mortes diárias causadas pela doença e eu continue considerando que voltar ao normal é parar de morrer gente), eu sigo roendo as unhas, ansioso, e já pensando em desculpas novas para não sair de casa.

Ler Anterior

Profissionais da cultura têm até dia 15 para se cadastrar na renda básica emergencial

Ler Próxima

Quatro empresas de Itupeva estão contratando para Produção (07/10/2020)